Conheça 4 dicas para evitar acidentes de trânsito

Certamente, você conhece alguém que já sofreu um acidente de trânsito, de maior ou menor gravidade, com vítimas fatais ou não. Apesar de todas as ações de conscientização que são realizadas por todo o mundo, como o Maio Amarelo, o número de ocorrências ainda é bastante alto.

Conteúdo publicado por Hospital Israelita Albert Einstein

O cenário se torna ainda mais triste e preocupante quando percebemos que muitas dessas colisões poderiam ser evitadas se os condutores praticassem a direção preventiva e defensiva — e, da mesma forma, se os pedestres também se preocupassem com a sua própria segurança. Isso porque a imprudência é a principal causa desses acidentes no Brasil.

Neste texto, vamos falar mais sobre o assunto e ainda apontar a relação entre os acidentes de trânsito e a doação de órgãos. Continue a leitura!

Entenda os dados sobre acidentes de trânsito no Brasil

Você sabia que, a cada 15 minutos, uma pessoa morre de acidente de trânsito no Brasil? E a cada 2 minutos, uma sofre sequelas decorrentes dos ferimentos do acidente? Esses são dados de um estudo realizado em 2019 pela Organização Mundial de Saúde, a OMS.

Os números também apontam que o Brasil é o quarto país do mundo onde mais pessoas morrem de acidentes envolvendo veículos, sejam elas motoristas, sejam passageiros ou pedestres.

A pandemia de coronavírus impactou de forma positiva esses dados, já que por causa do distanciamento social imposto por ela, menos acidentes ocorreram. Mas isso não quer dizer que precisamos ficar tranquilos em relação ao assunto!

As mortes ainda são muitas e poderiam, em grande parte, ser evitadas por meio de uma maior conscientização de todos que fazem parte do trânsito — pedestres, motoristas, ciclistas e motociclistas.

Conheça 4 dicas para evitar acidentes de trânsito

Confira, a seguir, algumas dicas para saber como fazer a sua parte por um trânsito mais seguro.

1. Respeite os limites de velocidade

Antes de pisar no acelerador, considere que o limite de velocidade imposto em cada via não é por acaso. Estudos que envolvem a própria condição do local, o fluxo de trânsito e os riscos, entre outros fatores, influenciam essa velocidade máxima permitida.

Por isso, respeitar a sinalização, independentemente se você está em uma rua ou rodovia, é uma das melhores maneiras de manter a sua segurança — e de todos à sua volta. Ao manter a velocidade permitida, o motorista consegue reagir a tempo, caso haja algum imprevisto, bem como controlar o próprio carro.

Imagine, por exemplo, um animal na pista ou o asfalto escorregadio: se o veículo estiver em alta velocidade, as chances de você conseguir desviar ou manter o controle são bem pequenas, o que pode causar um acidente apenas com o seu automóvel ou envolvendo outros que estão trafegando ali.

2. Esteja em boas condições

Infelizmente, é comum as pessoas pegarem o volante sem as condições físicas e psicológicas necessárias. O sono ou o consumo de drogas e álcool, por exemplo, são capazes de diminuir o reflexo do motorista — bem como afetar o seu raciocínio, a sua coordenação motora e, até mesmo, a sua capacidade de julgamento.

Atualmente, as penas para quem é pego dirigindo embriagado são severas, e as possibilidades de se locomover sem ter que dirigir são variadas e bastante acessíveis. Ou seja, nada justifica você colocar a sua vida (e a dos outros) em risco se não estiver em boas condições.

3. Evite o uso de celular

Não é por acaso que os celulares estão na mira das campanhas de acidentes de trânsito: o uso do aparelho ao volante diminui drasticamente a atenção que o condutor dá ao ato de dirigir e tudo o que está envolvido nele, como acompanhar os retrovisores, dar a seta e se manter de olho no que os outros veículos estão fazendo.

A situação é ainda mais grave em relação às mensagens de texto, já que é preciso desviar a atenção dos olhos para a tela. Ainda que por uma fração de segundo, esse descuido pode ser fatal.

4. Mantenha uma distância segura

Manter uma distância segura do veículo da frente é uma atitude que ajuda a evitar acidentes graves e também multas. Afinal, é fundamental que haja um espaço entre os carros para que o de trás possa frear com segurança, caso o da frente se veja obrigado a parar ou desviar de algum obstáculo.

Para calcular essa distância segura, existe a regra clássica dos dois segundos, mas ela não deve ser sempre uma lei, já que diversos fatores podem influenciar o tempo de resposta do condutor e do próprio carro, como luminosidade, chuva etc.

Saiba qual é a relação entre acidentes de trânsito e doação de órgãos

Em muitas colisões de trânsito, as pessoas envolvidas podem ter o que é chamado de morte encefálica: é quando ocorre uma lesão grave na cabeça e, apesar de os outros órgãos estarem preservados, não há mais chance de vida — trata-se de um quadro absolutamente irreversível.

Apesar de a morte encefálica acontecer por diversos motivos, os acidentes de trânsito são grandes responsáveis por elas, principalmente aqueles que envolvem motociclistas, causando o traumatismo craniano grave.

Vale lembrar: para que o transplante de órgãos e tecidos seja realizado, é preciso que a morte encefálica seja comprovada de acordo com critérios rígidos, que são definidos pela legislação brasileira, e que a doação de órgãos seja autorizada pela família.

Se não houver uma parada cardiorrespiratória, é possível a doação de diversos órgãos, como coração, pulmão, rins, fígado, córnea etc., o que vai ser capaz de salvar várias outras vidas.

No trânsito, tenha paciência e tome cuidado

Como você viu, um acidente de trânsito pode surgir de um simples descuido ou, até mesmo, da pressa. Mas seguir as leis de trânsito e respeitar o seu espaço e o das outras pessoas que também fazem parte desse trânsito é a forma mais segura de chegar onde você precisa. A direção defensiva é uma importante aliada de todas as pessoas que fazem parte do trânsito.

Por vidasaudavel.einstein.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *