Sebrae: Os empreendedores no combate ao coronavírus

Por Carlos Melles – Presidente do Sebrae

Todos os dias, milhões de brasileiros acordam cedo para fazer o país andar. São os donos de pequenos negócios, que trabalham duro no comércio, na prestação de serviços, na indústria e na agropecuária, em todas as regiões. Trazem dentro de si a força da resiliência. Para eles não têm tempo ruim, mesmo diante dos obstáculos mais inesperados, das mudanças bruscas no cenário de suas atividades e até mesmo da falta de sorte aqui ou ali.

Essa legião tenaz de empresários de pequenos negócios tem agora à sua frente o gigantesco desafio de enfrentar e vencer a ameaça da pandemia mundial do coronavírus, caso a doença avance em nosso território. Nos aspectos da saúde pública, a situação deles aparentemente em nada difere daquela que os demais brasileiros já se defrontam no dia a dia. Entretanto, quando se analisa o setor pela lente da economia, salta aos olhos um preocupante potencial de vulnerabilidade. Grande parte dos pequenos negócios são intensivos em atendimento ao público – exatamente na esfera em que se transmite esse vírus de consequências devastadoras.

Para ficarmos em alguns exemplos, podemos citar o varejo tradicional ou os restaurantes, bares e lanchonetes ou as feiras livres. A economia criativa já se ressente do cancelamento de shows, espetáculos e eventos em geral, incluindo-se os esportivos. O turismo perde com pequenos hotéis e pousadas. Serviços de beleza, cuidados pessoais e estética juntam-se aos de delivery, médicos e veterinários. Estão entre outras áreas já afetadas, mesmo que o volume de casos de pessoas confirmadas com a doença ainda seja pequeno no Brasil, quando comparados com outros países. Deve-se levar em consideração também os prejuízos para os empreendedores que dependem da importação de insumos para a produção, como nos segmentos eletrônicos, têxteis e peças automotivas.

O Sebrae vem a público manifestar que está ao lado desse setor fundamental para o Brasil – e razão da existência da entidade. Como ações práticas, estamos trabalhando em favor da adoção em larga escala de medidas preventivas para todo o setor, que congrega diretamente 16,9 milhões de pessoas nos pequenos negócios, além de suas famílias.

Em primeiro lugar, é imperativo reforçar a adesão decidida de todos às orientações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OMS) e, destinadas a evitar a prevenção do contágio, a começar das mais simples e de eficácia comprovada, como lavar as mãos frequentemente com água e sabão, desinfetá-las com álcool em gel e evitar hábitos como aperto de mão e abraços, manter distância das pessoas e evitar aglomerações e deslocamentos, entre as que já se tornaram bem conhecidas.

Ao mesmo tempo, do ponto de vista da economia, o Sebrae considera como fundamentais iniciativas em quatro frentes direcionadas aos pequenos negócios: redução de custos, viabilização de fluxo de caixa, manutenção de empregos e orientação. Já estamos agindo em parceria com órgãos de governo, nas instâncias federal, estadual e municipal, para articulação de políticas públicas que possam mitigar o impacto negativo do ponto de vista econômico. Estamos divulgando um conjunto de medidas detalhadas para adoção imediata pelos pequenos negócios, com recomendações bem práticas de como se preparar para enfrentar os dias difíceis que parecem se anunciar.

A estratégia do Sebrae é buscar iniciativas para melhorar o fluxo de caixa das empresas, com possibilidade de prorrogação do prazo para pagamento de tributos, empréstimos bancários, fornecedores e tarifas de concessionárias e liberação de linhas de crédito em condições especiais. Para a situação do emprego, deve-se buscar a ampliação e simplificação do uso de banco de horas, férias coletivas, redução e ou escalonamento de jornada de trabalho, home-office e a suspensão de contrato de trabalho com direito ao seguro desemprego por período limitado. Precisamos também de campanhas de esclarecimento setoriais para facilitar a gestão da crise, em sintonia com órgãos públicos.

A pandemia chega exatamente quando as micro e pequenas empresas dão mostras vigorosas da sua contribuição para a retomada do crescimento econômico, com a criação de 731 mil novas vagas de carteira assinada em 2019, na liderança portanto do combate ao desemprego. Derrotar o coronavírus tem, assim, uma dupla missão. De um lado, proteger a saúde dos brasileiros e salvar vidas. De outro, quanto mais bem-sucedido for o enfrentamento da doença, mais rapidamente teremos garantida a retomada da agenda de desenvolvimento da economia.

Nesse momento de gravidade para o Brasil, precisamos agir rápido e com muita eficiência, sem, contudo, ceder ao pessimismo. Já se disse que o pânico é o medo associado à desinformação – vamos combater esses três males, com determinação, na certeza de que derrotaremos também o mal maior, que é o próprio coronavírus. Estamos confiantes que, com a orientação e apoio adequados, os empreendedores dos pequenos negócios vão superar mais uma grande adversidade.

Assessoria de Imprensa Sebrae
Telefones (61) 3348-7570 / (61) 3348-7754

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *