Fluxo de caixa: Uma ferramenta para lucrar mais no varejo

Parece uma afirmação óbvia para
quem respira o universo do varejo, mas a realidade é que ainda tem muito
lojista por aí que não se atenta para a
importância do fluxo de caixa. A
grande maioria até implementa algum
tipo de controle de entradas e saídas
financeiras do negócio, mas não
consegue interpretar as informações
que tem em mãos para antecipar
problemas, evitar gastos desnecessários e tomar decisões realmente certeiras.

Mais do que garantir o uso racional dos recursos, ter um fluxo de caixa bem
estruturado é essencial para passar por momentos de queda nas vendas sem
prejudicar o futuro do negócio. Com
essa tática, ter uma visão real da saúde financeira da empresa é muito mais
fácil.

Por isso, preparamos um checklist com os pontos essenciais que você precisa
observar ou colocar em prática em
relação ao fluxo de caixa. Sem perder mais tempo, vamos direto ao que
interessa!

Mas afinal, o que é fluxo de caixa?

Basicamente, trata-se da movimentação financeira de um negócio, ou seja, a
relação entre o dinheiro que entra e oque sai. Um bom fluxo de caixa é aquele baseado em todas as entradas e saídas e, para isso, o varejista precisa ter um
controle rigoroso das receitas e
despesas. É o famoso “anotar tudo”!

Pequenos comerciantes costumam
fazer esse registro de forma
não-automática, com ajuda de
planilhas, por exemplo. No entanto, é
mais recomendado contratar um
serviço automatizado, para economizar tempo e ter um levantamento mais
preciso. Atualmente, o mercado já
dispõe de diversas tecnologias voltadas para fluxo de caixa, de capacidades e
preços variados, que oferecem uma
visão diária, semanal e mensal. Vale
pesquisar e investir!

Na prática, que diferença o fluxo de
caixa faz?

Com a palavra, o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas
Empresas (SEBRAE), que ajuda
empresários do Brasil inteiro a
melhorarem a gestão como um todo de seus negócios. As principais vantagens de ter um fluxo de caixa funcionando
são:

❖     Prever, planejar e controlar
entradas e saídas em um período
determinado;
❖     Avaliar se o recebimento por
vendas será suficiente para cobrir
gastos assumidos e previstos;
❖     Antecipar decisões quanto à falta
ou à sobra de dinheiro;
❖     Descobrir se a loja está
trabalhando com aperto ou folga
financeira;
❖     Ter subsídios para ajustar o preço de venda para cima ou para baixo;
❖     Verificar a possibilidade de
realizar promoções e liquidações;
❖     Confirmar se os recursos
financeiros próprios serão suficientes
para tocar o negócio ou se há
necessidade de buscar dinheiro extra.

Bom, se você ainda tem fluxo de caixa
bem estruturado ou se ainda não dá a devida atenção às entrelinhas, está
passando da hora, né?

Então como manter o fluxo de caixa em dia?

Alguns passos são essenciais, não
importa a ferramenta utilizada para
fazer o fluxo de caixa:

1)    Faça o registro das
movimentações financeiras por
categoria. 
Assim, é possível detectar quais as
principais fontes de receitas e despesas, entender se há ou não desperdício de
recursos e o que tem dado lucro ou
prejuízo.

2)    Crie uma rotina diária de
verificação do fluxo. 
Uma precaução essencial para evitar
surpresas, antecipar problemas, pensar soluções estratégicas para resolvê-los e manter a saúde financeira do negócio
em dia.

3)    Tenha total controle sobre o
estoque.
Já parou para pensar quanto custa o
seu estoque? Ou qual é o limite máximo de estoque que a sua loja precisa para atender sua clientela? Quais produtos
têm mais saída? Ter ciência disso
também faz parte do processo de fluxo de caixa, pois ajuda você a tomar
decisões para evitar prejuízos, bem
como a necessidade real de reposição.

4)    Estabeleça avaliações periódicas. A partir dos resultados obtidos no
fluxo de caixa, é possível tomar
decisões a curto e longo prazo sobre o
negócio. Afinal, não adianta insistir,
por exemplo, em uma linha de
produtos que não agrada o seu cliente. Pelo contrário, vale muito mais a pena direcionar investimento no que tem
melhor retorno financeiro.

5)    Atenção para o padrão de crédito.
Isso também vai interferir diretamente no fluxo de caixa e, consequentemente, na rentabilidade da empresa. De duas
situações, você deve escolher uma: se
as exigências para compra na sua loja
são baixas, as vendas tendem a
aumentar, o estoque de produtos deve
ser alto, mas a possibilidade de calote
também é grande; agora, se as
exigências de crédito forem altas, a
garantia de pagamento por parte dos
clientes são maiores, mas as vendas
podem ser menores do que na situação anterior. Em todo o caso, tudo precisa
ser bem planejado, a partir de análises de público-alvo e levando em
consideração o capital de giro.

6)    Na dúvida, contate um consultor financeiro.
Ter o apoio de um especialista pode fazer a diferença para ter um fluxo de
caixa realmente vantajoso, que te ajude a ganhar mais dinheiro, ao invés de ter prejuízos.


Gostou das nossas dicas? Caso tenha
alguma observação ou sugestão com
relação ao conteúdo, comente aí.
Aproveite a visita para conferir as
ofertas que o Fujioka Distribuidor
preparou para a sua loja ter o melhor
da tecnologia sempre disponível.

Por Fujioka Distribuidor