Turbulência no avião: você não precisa ter medo

Quem está acostumado com viagens aéreas, já deve ter passado por turbulência no avião. E quem viajou pouco ou nunca viajou, provavelmente já ouviu falar do fenômeno. A situação é uma das mais temidas pela maioria dos passageiros. Mas, para aliviar essa preocupação, vamos explicar o que é turbulência, as causas e as consequências.

Para desmistificar o fenômeno, é importante entender que sua ocorrência é bastante corriqueira durante os voos. A turbulência no avião pode ser comparada às ondas no mar em uma viagem de navio. Então, não fique nervoso com a possibilidade de ter turbulência no seu voo.

Mesmo se a aeronave começar a chacoalhar um pouco, basta não entrar em pânico e seguir as orientações dos comissários de bordo.

MAS É NORMAL O AVIÃO BALANÇAR?

Sim, as turbulências são comuns, como já falamos anteriormente. Na maioria das vezes, isso acontece quando o avião passa por nuvens. Mas pode haver turbulência mesmo com o céu limpo. As aeronaves são projetadas para aguentar esse e outros tipos de fenômenos meteorológicos, como chuvas e relâmpagos.

Não há perigo no chacoalhar do avião. Porém, justamente por causa da possibilidade de turbulências é recomendado aos passageiros permanecerem sentados e com os cintos afivelados durante todo o voo.

Quando você estiver no corredor do avião ou no sanitário e uma turbulência começar, retorne imediatamente ao seu assento. Note que mesmo o serviço de bordo é interrompido nesses casos. Só que você sabe o que é turbulência? Como funciona esse fenômeno? E por que ele faz a aeronave chacoalhar?

O QUE É TURBULÊNCIA NO AVIÃO?

Em geral, o movimento de turbulência é considerado o estado desordenado ou de agitação de um fluido. Os cientistas aerodinâmicos definem o fenômeno como as trajetórias irregulares do fluxo de ar com velocidades instantâneas e flutuações aleatórias. O que causa “lombadas” ou “turbilhões” no ar e provocam turbulência no avião, fazendo a aeronave balançar.

No entanto, quem se assusta pode ficar tranquilo. Os aviões são altamente seguros para enfrentar esse tipo de problema. Até porque as aeronaves são construídas com materiais resistentes e suportam mais do que turbulências.

Além disso, os pilotos e controladores de voo trocam informações de maneira constante sobre os riscos do fenômeno. Embora não seja possível prever todas as situações, os radares meteorológicos ajudam a evitar as zonas de turbulência.

Com isso, os pilotos conseguem descer e subir de altitude ou desviar da área para manter a viagem mais calma. Quando for possível detectar uma região instável e o voo estiver prestes a passar por ela, é aceso o aviso para sentar e apertar o cinto de segurança.

AS CAUSAS DO FENÔMENO

Na maioria dos casos, a turbulência no avião é relacionada com tempo ruim, nuvens pesadas e chuva. Mas não é apenas nessas situações que o problema existe.

A aeronave pode balançar por vários motivos. Por exemplo: diferenças no relevo, alterações de pressão atmosférica e temperatura, variação na velocidade do vento e até mesmo com céu claro. Confira as principais causas:

  • Turbulência mecânica: é causada quando o fluxo de ar é direcionado pelo relevo. Pode ocorrer em áreas montanhosas. Em baixas altitudes, próximos a centros urbanos, os prédios também podem originar essa turbulência. E até hangares de aeroportos podem provocar o fenômeno com o avião no solo.
  • Esteira de turbulência: quando o avião passa em uma região, ele causa uma mudança nos ventos. Isso cria a chamada esteira de turbulência e pode afetar uma aeronave, que voar pelo mesmo local na sequência. Por isso, é recomendado que os aviões mantenham certa distância.
  • Turbulência térmica: é relativa à diferença de temperatura de acordo com a altitude. É mais intensa em dias de calor, principalmente, no verão. Devido à formação de nuvens de tempestade, a diferença do ar frio e o solo quente gera correntes verticais de vento.
  • Correntes de jato: também conhecidas como turbulência de céu claro, não são previstas nem pelos radares dos aviões. Ocorrem em altitudes elevadas e são corredores de ventos com velocidade acima de 100 km/h. São mais intensas no inverno e sobre os continentes.
  • Tesoura de vento: acontece quando há mudança do vento em pequena distância. Pode estar associada a frentes frias ou quentes, trovoadas, brisa marítima ou inversão de temperatura. O maior problema é quando o avião passa pela tesoura de vento na aproximação para pousar, porque está com baixa velocidade.

COMO PREVER ÁREAS DE INSTABILIDADE

Como você pode perceber, nem sempre os pilotos e os controladores de voo conseguem prever o que é turbulência. Mas todos são preparados ao máximo para manter o avião afastado de zonas de instabilidade, especialmente, as mais severas.

Normalmente, antes de decolar, a tripulação recebe o plano de voo com os dados sobre as condições do tempo. Durante a viagem, também é possível fazer o monitoramento da situação em tempo real com os radares meteorológicos.

No entanto, mesmo com todos os instrumentos, ainda surgem correntes de ar e rajadas de vento repentinos. O que pode causar turbulências inesperadas. Inclusive, dependendo da intensidade, o piloto pode até desviar o caminho.

CONDIÇÕES DE VIAGEM E RISCOS

Mas para quem tem receio de viajar em situações especiais, veja os riscos de turbulência no avião e de segurança.

  • Viagem à noite: o voo durante o dia ou à noite não tem diferença no quesito de segurança. Os aviões e aeroportos funcionam regularmente e não dependem das condições de luminosidade.
  • Viagem com chuva: pode-se viajar com segurança mesmo com chuva forte. Até porque o avião opera normalmente nessas circunstâncias Só é possível ocorrer algum desconforto por causa de eventual turbulência.
  • Viagem com tempestade: os aviões são construídos para suportar raios e relâmpagos, sem afetar a segurança do voo. Por isso, mesmo que a aeronave seja atingida, o raio passa pela fuselagem e não causa danos. Só há o risco de turbulência mais intensa.

TIPOS DE TURBULÊNCIA NO AVIÃO

Quando o avião passa por uma área instável, pode sofrer três tipos de turbulência. Em geral, a intensidade varia de leve, moderada e severa, segundo a Iata (Associação Internacional de Transportes Aéreos). Conheça melhor as características de cada tipo:

  • Leve: as bebidas balançam, mas não caem dos copos. Os passageiros podem sentir leve pressão contra o cinto.
  • Moderada: os líquidos derramam dos copos. Os passageiros sentem que são segurados pelos cintos.
  • Severa: os objetos caem ou são sacudidos se não estão presos. Os passageiros são fortemente seguros pelos cintos.

DICAS PARA OS PASSAGEIROS

Mesmo com as explicações sobre o que é turbulência, você ainda pode ficar preocupado quando voar nessas condições. Por isso, confira recomendações para tornar sua viagem melhor:

  • Sente perto das asas do avião. Isso pode atenuar o efeito da turbulência, já que, nessa região, fica o centro de gravidade da aeronave;
  • Evite ficar na parte traseira do avião, porque o balançar é maior nessa área;
  • Controle a respiração para se acalmar, enquanto acontece o fenômeno;
  • Procure se distrair para não ficar focado na turbulência. Você pode ouvir música, ler um livro ou ver um filme.

Fato é que a turbulência no avião é uma situação desconfortável. Mas se você seguir as orientações de segurança, pode ficar sossegado. Agora, se você faz longas viagens de avião, você pode ter problemas com jet lag. Não sabe o que é isso? Confira aqui.

Por abear.com.br