Corante artificial alimentar: Você sabe o que é Caramelo IV?

Regulação brasileira sobre o tema é falha e fabricantes de refrigerantes e bebidas energéticas não informam consumidor sobre quantidade da substância tóxica em seus produtos

O que é?

O caramelo IV, um dos  corantes artificiais alimentares mais usados  no mundo, é responsável pela coloração encontrada em refrigerantes de cola, molhos, chocolates, cervejas e outras bebidas alcoólicas, remédios e até em alimentos para cães. 

Quais os perigos?

Diferentemente do caramelo regular, resultante do açúcar puro aquecido, o Caramelo IV é feito a partir da mistura do açúcar com elementos químicos como ácidos e amônia, sob grande pressão e temperatura. Porém, além da cor desejada, o corante gera também subprodutos prejudiciais à saúde. Estudos feitos pelo Programa Nacional de Toxicologia dos Estados Unidos mostraram que o 4-Metilimidazol (4-MI), um desses subprodutos, pode causar câncer de pulmão, fígado, tireóide e leucemia. Reconhecendo os estudos, a Agência de Proteção Ambiental da Califórnia classificou o 4-MI como cancerígeno, e determinou que qualquer produto com concentração maior que 29 microgramas de 4-MI por porção deve informar o possível risco na embalagem. Nessa concentração, o risco de desenvolver algum tipo de câncer é observado nas estatísticas considerando as comparações com 100 mil indivíduos. Em 2013, o Idec fez uma pesquisa sobre refrigerantes e energéticos que contêm o corante Caramelo IV em sua fórmula, e portanto o cancerígeno 4-MI, e confirmou que a regulação brasileira sobre o tema é falha e que os fabricantes de refrigerantes e bebidas energéticas não estão dispostos a informar ao consumidor a quantidade da substância tóxica em seus produtos.

Para que serve?O uso do corante Caramelo IV  serve para conferir cor aos alimentos. Um lançamento recente da Coca-Cola no Japão, com uma versão idêntica à bebida original, mostra como ela fica transparente sem o uso da substância.   A cor caramelo também pode ser obtida a partir  da mistura de corantes naturais, como por exemplo, extrato de beterraba e beta-caroteno, porém a indústria alega que o seu uso não é vantajoso do ponto de vista econômico. Para a maioria das pessoas, “corante caramelo IV” pode significar somente colorido com caramelo, porém seu modo de preparo o descaracteriza em relação à versão natural. É uma mistura concentrada de produtos químicos marrons que simplesmente não ocorre na natureza. O caramelo regular não é saudável, mas pelo menos não aumenta o risco de exposição à substâncias cancerígenas. Qual o uso no Brasil?A ANVISA reconhece oficialmente a Resolução da Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos (CNNPA), do Ministério da Saúde, de que o teor de 4-MI não deve exceder 200 miligramas em cada quilo de alimento. O que significa dizer que, se levarmos em consideração uma porção de 100g de determinado produto, a quantidade permitida no Brasil é quase 700 vezes maior que a permitida na Califórnia. 

  Exemplos dessa discrepância nos valores aceitáveis podem ser vistos no resultado de um estudo realizado em 2012 pelo Centro de Ciência para o Interesse Público (CSPI na sigla em inglês), da capital norte-americana. O centro avaliou a concentração de 4-MI em latas de Coca-Cola de diversos países e encontrou a Coca brasileira como detentora do primeiro lugar no ranking. Confira outros valores ao redor do mundo na tabela abaixo: 

QUANTIDADE DE 4-METIL-IMIDAZOL (4-MI) NA COCA-COLA EM NOVE PAÍSES
PAÍS4-MI em microgramas (mcg) em cada 355 ml
Brasil267
Quênia177
Canadá160
Emirados Árabes Unidos155
México147
Reino Unido145
Estados Unidos (Washington, DC)144
Japão72
China56
Estados Unidos (Califórnia)4

Fonte: CSPI (Center for Science in the Public Interest) – EUA Em informe técnico publicado pela ANVISA em 2012, a agência afirma que o padrão de ingestão aceitável adotado por ela para o Caramelo IV foi estabelecido pelo JECFA (Comitê de Especialistas da FAO/OMS em Aditivos Alimentares) em 1985 e mantido nas suas revisões.

Por idec.org.br