Quem foi George Papanicolaou, criador do exame considerado uma das armas mais poderosas contra o câncer

Georgios Papanicolaou trabalha em seu laboratório
Image captionPapanicolaou fez pesquisas revolucionárias com sua mulher, Andromachi Mavroyenis, nos Estados Unidos

Quando George Papanicolaou (1883-1962) chegou aos Estados Unidos, vindo da Grécia, já era um médico experiente que tinha trabalhado como cirurgião militar na primeira guerra dos Bálcãs (1912-1913).

No entanto, nem ele nem sua mulher, Andromachi Mavroyenis, sabiam falar inglês e tinham apenas cerca de US$ 250 consigo, “a quantia exigida para entrar no território americano”, como explica uma pesquisa da Associação Médica de Cingapura (AMC) sobre o homem que é homenageado neste 13 de maio pelo Google por causa do 136º aniversário de seu nascimento.

Andromachi cosia botões por US$ 5 semanais, enquanto Papanicolaou, após durar só um dia em um emprego de vendedor de tapetes, voltou a se dedicar à sua paixão: tocar violino, desta vez em restaurantes.

Ninguém imaginava que pouco tempo depois ambos trabalhariam juntos no desenvolvimento de um exame simples que revolucionou a medicina ao permitir detectar de forma precoce o câncer de colo do útero. A prática já ajudou a salvar milhões de mulheres.

O método ficou conhecido no Brasil como Papanicolaou ou Papanicolau, mas também é chamado popularmente de Pap.

Como surgiu o exame

Nascido em 13 de maio de 1883, na ilha de Eubea como Georgios Papanikolaou, ele se formou em Medicina com louvor aos 21 anos, depois de também ter estudado música e humanidades.

Um ano depois de ter chegado aos Estados Unidos, ainda sem trabalhar como médico, ele foi contratado pelo departamento de Anatomia da Universidade de Cornell, em Nova York, como pesquisador.

Mavroyenis, por sua vez, passou a trabalhar no mesmo local como técnica e, às vezes, alvo dos experimentos realizados ali.

“O sucesso científico da dupla ocorreu após recrutarem um grupo de amigas suas para participarem de um estudo que envolvia o exame de Papanicolaou”, diz o Google ao explicar a homenagem ao médico grego.

“No estudo, Papanicolaou detectou células malignas em uma das amostras, o que levou ao diagnóstico de câncer para uma amiga de sua mulher.”

Exame já salvou milhões de vidas

O teste permite detectar alterações anormais em células do colo uterino antes que o câncer se desenvolva.

Como explica a AMC, por ter um baixo custo, ser fácil de ser realizado e bastante efetivo, o Pap se tornou o “padrão de excelência na detecção do câncer cervical” em todo o mundo.

Georgios Papanicolaou en el doodle de Google.
Image captionO Google homenageou o médico grego no 136º aniversário de seu nascimento

Um estudo de cientistas do Instituto Karolinska de Estocolmo, na Suécia, com 1,23 mil mulheres que foram acompanhadas por oito anos após o diagnóstico, ajuda a ilustrar sua importância.

A pesquisa mostrou que, entre as mulheres que se submetem a este exame e conseguem detectar o câncer cervical precocemente, a taxa de sobrevivência é de 92%, enquanto o índice para as pacientes diagnosticadas quando já começam a apresentar sintomas é de 66%.

Como este é o quarto tipo de câncer mais comum entre as mulheres, segundo a Organização Mundial da Saúde, é atribuído a este teste – e seu criador – o feito de ter ajudado a salvar milhões de vidas.

“Este exame será sempre uma das armas mais poderosas contra o câncer”, diz outro artigo citado pela AMC ao explicar a importância da “descoberta deste grande pioneiro”.

Pap está disponível na rede pública de saúde

No Brasil, o Pap está disponível na rede pública. Segundo o Ministério da Saúde, toda mulher que tem ou já teve vida sexual deve submeter-se ao exame preventivo periódico, especialmente as que têm entre 25 e 59 anos.

A recomendação do ministério é de que, inicialmente, o exame seja feito anualmente. Após dois exames seguidos (com um intervalo de um ano) com resultado normal, pode ser feito a cada três anos.

Para garantir um resultado correto, a mulher não deve ter relações sexuais (mesmo com camisinha) nos dois dias anteriores ao exame, evitar também o uso de duchas, medicamentos vaginais e anticoncepcionais locais nas 48 horas anteriores à realização do exame.

É importante também que não esteja menstruada, porque a presença de sangue pode alterar o resultado. Mulheres grávidas podem fazê-lo, sem prejuízo para sua saúde ou a do bebê.

Para a coleta do material, é introduzido um instrumento chamado espéculo na vagina, conhecido popularmente como “bico de pato”, devido ao seu formato.

O médico faz a inspeção visual do interior da vagina e do colo do útero. Em seguida, o profissional provoca uma pequena escamação da superfície externa e interna do colo do útero com uma espátula de madeira e uma escovinha.

As células colhidas são colocadas numa lâmina para análise em laboratório especializado em citopatologia.